quinta-feira, 11 de março de 2010

Sindrome de Dr. Manhattan.

Lembram do personagem do HQ Watchmen que após um acidente radioativo tornou-se quase uma divindade? É aquele todo azul, com um símbolo do Átomo de hidrogênio na testa. Bem, vou fazer uma pequena descrição do dito cujo.


Indivíduo quase onipotente, que pode quase todas as coisas se multiplica para estar em vários lugares ao mesmo tempo, executando várias tarefas ao mesmo tempo. Para muitos, a última coca cola do deserto, o ícone do triunfo, infalível e sempre controlado emocionalmente.

Bem qualquer semelhança do Dr. Manhattan com o perfil de um pastor protestante hoje não é mera coincidência. Os dois representam heroísmo, os dois representam esperança e através das ações de ambos o mundo pode melhorar sensivelmente. Bem, o Manhattan é o estereótipo da perfeição e os pastores evangélicos querem seguir o mesmo caminho.

O problema é que não dá. Em algum momento falharemos, magoaremos pessoas, destroçaremos sonhos e não conseguiremos chegar em alguns compromissos que marcamos. Em suma, todo mito do semi Deus, do super crente, do sacro santo ungido do Senhor, um dia vai cair. Por isso, desde já, quero avisar aos amantes de watchmen que estou mais pra "night owl" do que pra Dr. Manhattan, embora eu tenha desejo mesmo é de encarnar um "Rorsharch" com a mente de Cristo.

Bem seja lá como for, eu não quero ser divinizado, pelo contrário, faço questão de me mostrar humano, para que através da humanidade as pessoas possam entender que o serviço que realizo pode ser executado por mais gente e assim apago o mito de que o pastor é superdotado de poderes sobrenaturais e que deve ser canonizado em vida e reconhecido como sumidade espiritual em meio aos crentes.

E no mais, tudo na mais santa paz!

2 comentários:

  1. Eu gosto de HQ, mas reconheço que como não leio já há algum tempo, não conheço a Saga do Watchmen. Mas falando nesse mito do super dotado, tem tantos outros exemplos por aí. E é uma cultura que invade a Igreja e cria esperanças sólidas como castelos de areia.
    Que a gente, pastorada desse Brasil de Deus, possa realmente viver mais humanizados, mais realisticamente, sabendo que é impossível atender a tantas expectativas - e principalmente não alimentando-as.

    Graça e paz, sempre.
    Marcus Vinicius
    @prmarcus (me sigam lá no Twitter).

    ResponderExcluir
  2. xFullMetal Jacketx12 de março de 2010 13:05

    Eu jah assisti o filme, e li a HQ...realmente os dois são excelentes... me identifico bastante com o Rorschach, devido ao fato dele n suportar mais o mundo como está, totalmente depravado... quanto mais leio a HQ, mais vejo as semelhanças com mtos tipos de pessoas, inclusive alguns pastores, q mal sobem no púlpito e acham q são deuses ou semi-deuses. é uma situação complicada, tanto na HQ como na vida real.

    ResponderExcluir

Daqui pra frente só posta quem se identificar, os anônimos serão moderados. Quem quiser expressar opinião tem que bancar e mostrar a cara. Outra coisa, você tem o direito de se expressar, mas se houver agressão, o comentário será deletado.