quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Cristianismo afeminado.

É o cristianismo do cabelinho de gel, das exigências pro camarim (frutas e toalhas), da hipersensibilidade, das palavras de efeito. É um cristianismo cheio de frescuras e trejeitos que não são avalizados pela bíblia. É o cristianismo que anda em cima do muro e que reivindica radicalismo enquanto se equilibra na corda bamba de sua fogueira de vaidades.

É um cristianismo que nem é frio nem quente, é indefinido. Embora às vezes pareça quentíssimo, é na verdade o cristianismo das sensações. A experiência vale mais do que o que está definido pela Bíblia. O que vale é dar certo. Deu certo, então é válido!

Sua marca é a androgenia, parece que é uma coisa, mas na verdade é outra. É afeminado não no melhor sentido da palavra, do "ser fêmea", mas no sentido pejorativo mesmo de querer ser quem não é, e às vezes só pra chocar ou "causar".

E no mais, tudo na mais santa paz!

7 comentários:

  1. O grupo Engenheiros do Hawaí cantavam um verso assim: "o papa é pob/o pop não poupa ninguém/o papa levou um tiro à queima roupa/o pop não pouco ninguém.

    Há muito tempo o cristianismo tornou-se uma religião pop(era pós-moderna). Antes disso, era uma religião feia, sombria, corrupta, assassina (Idade Média), antes disso(era apostólica), nem cristianismo era, era apenas uma seita dentro do judaísmo. Na época de Constantino, começa a "popização" (perdão o neologismo) do cristianismo. Já naqueles tempos, ser cristão era legal pois até o imperador era...

    Então, o cristianismo hoje não é nada. Não é a religião originária, nada mais tem dela. E não falo de moralismos ou jeito de ser e sim de um modo particular de se relacionar com Deus. Será se a visão de Tiago tivesse vencido e não a de Paulo o cristianismo seria hoje diferente?

    São só elucubrações, pastor. Abraços

    ResponderExcluir
  2. O problema Eduardo, é que hoje, as pessoas não querem ser cristãs, elas querem ser gospéis.
    Antigamente, a uns 20 anos atrás, ser cristão era um diferencial enorme. Meu pai tinha crédito em tudo que era lugar pelo simples fato dele ser cristão. Mas o que ele tinha de tão diferente do gospel? A vida dele era baseada em verdades bíblicas. Ele pagava suas dívidas em dia e, se houvesse algum problema que o impedisse de pagar, fazia questão de ir ao estabelecimento e informar o que estava ocorrendo. Nunca se aproveitava de brechas legais para aproveitar a situação. Se houvesse um produto com 2 preços, ele ia ao balcão e informava.
    Mas, e o povo gospel? Ah, o povo gospel. Esse não faz diferença alguma. É tão igual a qualquer um que suja o nome daquele que é cristão de fato.

    ResponderExcluir
  3. isso infelizmente eh verdade, o famoso cristianismo ligth, sem Jesus...

    ResponderExcluir
  4. Falou e disse Pastor..... queima eles Jesusss!!!!

    ResponderExcluir
  5. Concordo com vc quanto à realidade do cristianismo. Só acho muito preconceituoso o fato de usar o termo "afeminado".
    Preste atenção no sentido pejorativo e muito discriminativo que você imprime ao termo.

    O Amor ainda deve ser o árbitro em nossos corações (e em nossos textos também)

    Daniela Adlay
    Presbiteriana, mas que não concorda com alguns "presbiterianismos"

    ResponderExcluir
  6. ótima reflexão querido. concordo...

    http://prmarcello.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Quanta gente idiota concordando com um texto mais idota ainda!! pergunte ao pastor se ele nao gosta de uma mordomiazinha de seus membros? pergunta a ele se ele rejeita um agrado de seus seguidores?? ai vem aqui dizer que os artistas "Exigem" isso ou aquilo? ah!! faça-me o favor né?..nao rola gente..cansei dessa hipocrisia.O gospel é uma mercado como outro qq queiram vcs ou nao..e eu ganho muito dinheiro com isso!

    ResponderExcluir

Daqui pra frente só posta quem se identificar, os anônimos serão moderados. Quem quiser expressar opinião tem que bancar e mostrar a cara. Outra coisa, você tem o direito de se expressar, mas se houver agressão, o comentário será deletado.